Solidificando a Fé II

Solidificando a Fé II

Há um incidente registrado em Mateus 14:27-31 que contrasta muito bem a Palavra com a circunstância, e lança a luz sobre a importância de visualizarmos o que a Palavra diz:

Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais.   E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas.  E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus.   Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me!  E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?

Jesus vem andando sobre as ondas revoltas, e quando Pedro pensa que pode ser Ele diz: “Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo, por sobre as águas.”   Jesus atende-lhe o pedido, dizendo simplesmente: “Vem!”  Pedro salta do barco e vai andando sobre as águas.

Aqui está a equação certa para o milagre:

Ouvir a Palavra + Crer na Palavra + Obedecer a Palavra.

Primeiro Pedro ouviu a Palavra: “Vem!”  Era-lhe dirigida especificamente.

Segundo, ele creu (se não cresse é certo que não teria saltado do barco).

Terceiro, ele obedeceu à voz de comando do Mestre.  Ele nem olhou para as ondas.  Seu ser inteiro se concentrava na palavra “Vem!”.

Pedro tira os olhos das ondas, das circunstâncias, do que é visível, das impossibilidades humanas, e começa a andar sobre a Palavra, no reino sobrenatural.  Pedro está experimentando o milagre resultante da fé na Palavra de Deus.

Mas uma mudança repentina entra em cena.  Pedro desvia os olhos da Palavra e contempla o mundo visível.  Seus sentidos atestam que aquilo é agua mesmo.  Os ventos sopram forte.  As águas estão revoltas.  Não surge qualquer ponte nelas.  Estas não se transformam em caminho sólido.  E quando ele percebe essa realidade do mundo visível, tem medo.  Sai da área segura da fé e entra no caminho escorregadio da dúvida e do medo.   No momento que ele duvida, começa a submergir.  É o naufrágio da fé.  Pedro andara sobre a Palavra, no reino da fé, que opera no mundo invisível, contudo agora experimenta o furor da realidade da matéria, contrária à do espírito.  E a mesma experiência fornece os ingredientes para o fracasso da fé:

Primeiro: Olhar para o mundo dos sentidos, para as circunstâncias, para os sintomas, para o que o mundo ao redor diz.

Segundo: Ter medo.  A visão da crise desperta o medo, porque revela a impotência humana para alterá-la por si só.

Terceiro: Duvidar.  O medo gera a dúvida e a dúvida é o oposto da fé.  Se a dúvida entrar pela porta, a fé sairá pela janela.  A fé é inimiga da dúvida, e as duas não permanecem juntas.

 

Ouvir a Palavra + Crer + Obedecer = VITÓRIA DA FÉ

Olhar para as circunstâncias + Ter medo + Duvidar = FRACASSO DA FÉ.

Olhemos mais um exemplo na Bíblia que destaca a importância de prestar atenção à Palavra de Deus e não às circunstâncias.  Trata-se de Jairo (Mc 5:35-42).  Ele pede a Jesus que vá à sua casa curar a sua filha que está à beira da morte.   Jesus atende ao pedido.  No caminho chega um relatório: “Tua filha já morreu; por que ainda incomodas o mestre?”  Jesus, sem acudir a tais palavras, sem dar atenção ao que o mundo dos sentidos fornece como argumento, volta-se para Jairo e diz: “Não temas, crê somente.”

A fé não dá ouvidos aos relatórios negativos e rejeita tudo quanto não diz: “Amém” à promessa.  Assim Jairo não saiu correndo para confirmar o relatório, mas continuou seguindo a Jesus, em confiança.  Preferiu cere no Mestre.  Resultado: Ele levantou sua filha da morte.  A fé sempre terá o seu galardão!

Se queremos ter uma vida de oração efetiva, temos de aprender como recusar a dúvida, o medo e a incredulidade.   Se nos concentramos nas circunstâncias, em vez da Palavra, estamos edificando uma imagem interior do problema e não dá solução.  É o que vemos por dentro que determina a nossa atitude.  Se tudo quanto vemos são as circunstâncias negativas, duvidaremos da Palavra de Deus.  Satanás tomará vantagem disso para impedir o desenvolvimento da nossa fé.

Convém que nos lembremos sempre disso: a dúvida opera no reino da mente, mas a fé opera no reino do espírito; a dúvida é alimentada por pensamentos negativos, a fé pela promessa de Deus.  Compete-nos resistir aos pensamentos de dúvida e alimentar nossa fé com a confissão repetida da promessa.  Temos armas para vencer a dúvida.   2 Coríntios 10:3-5 fala dessas armas.  Lançando mão delas, que são “poderosas em Deus”, podemos trazer a mente sob controle e sujeitar cada pensamento à Cristo, de modo que a cada um deles diga “Amém” a Palavra de Deus.

Estejamos pois, preparados para recusar qualquer pensamento ou imagem contrária a nossa oração.  Pelo poder de Deus e fé na Sua Palavra, a vitória nos está garantida.

Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé. (Rom 1:17) Vigiai, estai firmes na fé; portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos. (1 Cor 16:13)

 

Deus os abençoe.

Julio Cozini

Deixe um comentário

Comentário (obrigatório)

“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.” Efésios 4.29

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)